22 de setembro – Dia Mundial Sem Carro

selo_sem_carro.jpgCom o objetivo de pressionar autoridades para o desenvolvimento de políticas públicas de transporte coletivo mais eficiente, de redução da poluição e do trânsito, a mobilização DIA MUNDIAL SEM CARRO surgiu em 1998 na França, coordenada pela União Européia.
No dia 22 de setembro de 2007, o mundo todo irá reduzir o tráfego de carros e motos! O Edifick apóia através de post, esta campanha!
Vale pegar uma carona, um ônibus, bicicleta, caminhada… Não vale, neste dia, o transporte individual. No site Planeta Sustentável, veja maiores detalhes desta campanha.

Os ciclistas de Curitiba propõem alternativas permanentes para estimular o transporte eficiente. O que já pela proliferação de idéias simples e viáveis fazem valer à pena datas como esta.

17 thoughts on “22 de setembro – Dia Mundial Sem Carro

  1. Para além desse dia, vale também o esforço para o uso do tranporte consciente.

    Otimizando não só recursos naturais e energéticos, como contribuindo também para o melhor funcionamento da infra-estrutura principalmente nos grandes centros urbanos.

  2. Eu, Leo Burla e nossas respectivas apoiamos a idéia, ainda que a mulherada reclame pra caramba de ter que andar a pé.
    Deixo aqui a recomendação que fiz no Blá Blá Gol: quem ainda não viu “Uma verdade inconveniente” que o faça, pra saber que é possível sim evitar a catástrofe que se anuncia num futuro em que não estaremos mais aqui, mas que vai sobrar pros nossos filhos e netos.
    Basta cada um fazer a sua parte, e disseminar a prática da consciência (ô palavrinha complicada de ser apreendida!) e não ficar colocando a culpa unica e exclusivamente nas grandes empresas por poluírem o mundo (ainda que sejam grandes “vilãs” do assunto). Cada pessoa é um poluidor em potencial, e é preciso que o pouco que cada um pode fazer seja feito para que a diferença do coletivo seja grande afinal.

  3. Na minha cabeça, por incrível e paradoxal que pareça, são as grandes corporações que sairão na frente nessa conscientização.

    Pois é muito difícil que de forma organizada, o indivíduo tome ações de racionalização. Não por falta de respeito ou vontade, mas simplesmente pela dificuldade de compatibilização.

    Já as grandes corporações possuem mais controle sobre a produção e sobre métodos, podendo dessa forma racionalizar os recursos.

    Tenho certeza que uma grande empresa de extração de madeira, por exemplo, consegue criar um método produtivo de replantio e extração da madeira apenas em épocas apropriadas, ao contrário de um único indivíduo fazendo de forma artesanal.

    Bem… isso é tema para muito bate papo mesmo.

  4. Até porque a responsabilidade ambiental está cada vez mais se tornando um diferencial de mercado. Faz diferença hoje se uma empresa é ambientalmente responsável ou não, ela efetivamente tem maior ou menor aceitação em função disso.
    Eu por exemplo, sempre procuro saber quais as empresas que têm políticas de sustentabilidade, ou de gestão ambiental e redução de índices de poluição, resíduos e tal.
    Posto por exemplo, priorizo os da Petrobrás.

  5. Tu leva tudo pro buraco da maldade.
    A partir de hoje, estou traçando uma meta pessoal para diminuirmos as emissões de carbono aqui em casa (já sei que isso vai virar piada).
    Carro o mínimo possível, vou usar mais a minha bicicleta e os tênis que tenho.
    Já separo meu lixo, reciclo papéis em casa e no trabalho (rascunhos).
    Não deixo a torneira ligada quando lavo louça ou escovo os dentes e nem o chuveiro ligado direto na hora do banho.
    Cato o cocô dos meus cachorros na rua.
    Telefono para a companhia de água quando vejo um vazamento na rua.
    Não deixo luz acesa nem TV ligada à toa.
    O próximo passo é começar a plantar árvore.

  6. Pingback: gaburah.com » Al Gore e suas verdades inconvenientes

Comments are closed.